Sexta-feira, 12 de Outubro de 2007

A RIBEIRO DOS SANTOS, UM DOS CAÍDOS

Completam-se hoje trinta e cinco anos sobre o teu assassinato por um dos patifes da P.I.D.E. no interior das instalações do estabelecimento de Ensino Superior que frequentavas em Lisboa, capital deste nosso país. Que nunca mais aprende a levantar a cabeça!

Permite-me explicar que a famigerada P.I.D.E. era a polícia política de que Oliveira Salazar e Marcelo Caetano abundantemente se serviram para perseguir, torturar e assassinar quem discordava da maneira brutal como impunham o seu poder sobre o país e as colónias.

Talvez te surpreenda a clarificação, mas eu explico: nos dias de hoje as pessoas com vinte anos e pouco, isto é, com a idade que tu tinhas quando morreste em luta pela liberdade "preocupam-se" com os resultados futebolísticos, com as marcas da roupa que irão vestir na ida à discoteca, com as tatuagens.

E não têm, sobre política, uma ideia que seja. Aliás, como não têm noção de quanto sofrimento foi necessário para se obter a liberdade e a Democracia que, neste momento, gozam.

"Mea culpa" generalizado e colectivo da minha geração, tenho que o assumir. Não tivemos os devidos cuidados de transição nem activámos os indispensáveis mecanismos de memória.

Como se não bastasse, assiste-se ao descalabro qualitativo da classe política e ao nítido avanço de um clima muito turvo de corrupção .

Além disso, o Governo (P.S.) escorado na sua maioria absoluta no Parlamento está a demonstrar preocupantes sintomas de autoritarismo. Contra estas estranhas atitudes, se levantou ontem na Assembleia da República a voz autorizada e firme de Manuel Alegre, cujos valores e princípios se sobrepõem aos interesses do seu próprio Partido.

E onde quer que te encontres , deves ficar estupefacto e indignado ao tomar conhecimento de que num concurso idiota promovido pela estação pública de televisão(!), Salazar ("o velho abutre") foi considerado o maior português de todos os tempos!

Assim vão os tempos...

Tanto em teu preito como  ao seu autor, porque ambos pagaram elevado preço pela oposição à ditadura, ofereço-te de José Afonso, também ele ligado ao Ensino, um poema de denúncia, revolta  e resistência:

                                      CORO   DOS   CAÍDOS

Cantai, bichos da treva e da aparência,

Na absolvição por incontinência.

Cantai, cantai, no pino do inferno,

Em Janeiro ou em Maio, é sempre cedo.

Cantai, cardumes da guerra e da agonia,

Neste areal onde não nasce o dia!

Cantai, cantai, melancolias serenas,

Como trigo da moda nas verbenas.

Cantai, cantai,guizos doidos dos sinos

Os vossos salmos de embalar meninos.

Cantai, bichos da treva e da opulência

A vossa vil e vã magnificência!

Cantai os vossos tronos e impérios

Sobre os degredos, sobre os cemitérios.

Cantai, cantai ó torpes madrugadas

As clavas, os clarins e as espadas.

Cantai nos matadouros, nas trincheiras,

As armas, os pendões e as bandeiras!

Cantai, cantai,que o ódio já não cansa

Com palavras de amor e de bonança.

Dançai, ó Parcas, vossa negra festa

Sobre a planície em redor que o ar empesta.

Cantai, ó corvos, pela noite fora

Neste areal onde não nasce a aurora!

Que os senhores do Mundo não se iludam...Seja como for, a vitória será nossa contra tudo e contra todos, pois perder uma batalha não implica perder a guerra!

Honra e glória a quem tombou!!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

sinto-me: Uma flor para ti!
música/livro: "Todas las Voces de Sefarad"
publicado por São Banza às 14:31
link do post | Que diz ? | favorito
|
8 comentários:
De gilberto_duwens a 12 de Outubro de 2007 às 18:09
Quer saber uma coisa, cara amiga?
Eu achava que era carnívoro nas minhas apreciações sobre as coisas.
A minha amiga bate-me aos pontos.
Queria só dar-lhe a razão em tudo que escreveu e assinar por baixo. No entanto há uma observação “pikinina” a fazer quando diz que os miúdos de vinte e tal anos não sabem da poda, e os de quarenta sabem?



De São Banza a 12 de Outubro de 2007 às 20:09
Bem-vindo!
Talvez tenha razão : os de quarenta , se não me engano, também estão a leste.
Sabe porque é que o bato aos pontos? Porque , acho, nós temos uma razável diferença de idades em meu desfavor.
Eu tinha 24 anos aquando da Revolução dos Cravos, trabalhando no Alfeite à época.
Era aluna de José Afonso quando, através de uma denúncia de um padre católico seu colega no Liceu, a ditadura o expulsou do Ensino.
Depois assisti à confusão do PREC e senti na pele aquilo que o PC é capaz de fazer. Agora estou vendo o PS e já vi Santana e Portas...
Finalmente, tenho uma maneira de ser incapaz de ser acrítica e acéfala...além de não suportar nenhum tipo de injustiça.
Mas fico muito contente por o ter a meu lado!!
Cá o espero!
Saudações!









De Poliedro a 12 de Outubro de 2007 às 18:49
Querida Amiga:
Realmente a ditadura salazarista escudando-se na policia política oprimiu fortemente o País e assassinou inúmeras pessoas que por dar livre expressão ao seu pensamento sofreram na pele as injustiças do regime político vigente,
Já constatei também a forma de viver dos adolescentes de hoje. Deviam dar mais valor ao que se passa à sua volta e, assumir uma postura algo diferente, sobre a sua forma de encarar a vida.
São um pouco "distraídos" na concepção de viver dentro de uma Cidadania correcta e postura razoável. A minha geração apostava mais no humanismo e na solidariedade entre as pessoas.
Divertíamo-nos, é certo, mas preocupávamo-nos em defender princípios e valores humanos importantes.
Outros tempos magníficos que não são capazes de entender.
Fala de dois GRANDIOSOS HOMENS notáveis, de forma clara, aberta, sincera, que lutaram pela democracia e implementaram na clandestinidade o que vivemos hoje: Zeca Afonso e Manuel Alegre.
Dois ímpares seres que arrebataram pelos ideais, que chama a tenção com enorme pertinência, não estão a serem cumpridos pelo governo PS. Parece que vivemos uma verdadeira ditadura, outra vez.
O descontentamento das pessoas é generalizado e estende-se até às pessoas do próprio partido PS.
Onde iremos parar?
Parabéns pelo texto, pela escolha e pela notável oportunidade.
Gostei muito.
Beijos amigos de enorme estima pelo talento e pelo que é.

pena
.


De São Banza a 12 de Outubro de 2007 às 19:51
Feliz por o ter aqui .
Penso que os valores da solidariedade e da fraternidade se estão perdendo muito rapidamente.
Parece-me que, pelo atalho que estamos tomando, iremos parar muito depressa a alguma coisa bem esquisita a nível político.
Agradeço muito as suas generosas palavras.
A casa está sempre aberta para si!
Abraços!


De Apátrida a 12 de Outubro de 2007 às 18:55
CANTA DE CERCA A MORTE
Se cando a morte pálida me apañe
deixo no mundo un pouco de memoria,
eu quero que o teu nome me acompañe,
se che pode servir dalgunha gloria;
e se labro estes versos co teu lembro
contra a cinza, a corrupción e o lodo,
é que eu non quero crer que aquel setembro
acabase para sempre xa con todo.

Ben sei, ben canté que non o soupese,
que a vida acaba cando o sangue calla,
pero quizá a memoria nos puidese

librar, senon da morte, da mortalla;
e se for, e apos da morte eu brillo,
saiban que eu fun quen son por ser teu fillo.

DARÍO XOHÁN CABANA
A memoria, non pode evitar as mortes, pero si que caían no olvido. Sempre que alguen se lembre, o sentemento continuará vivo é disposto para vencer.
Un abraço



De São Banza a 12 de Outubro de 2007 às 19:43
De novo, a minha gratidão por um poema muito bonito e também por me trazeres ao meu convívio alguém cujo valor desconhecia!
Vem sempre!
Apertas!


De elvira a 12 de Outubro de 2007 às 20:10
Bom que algumas vozes como a sua se levantem e denunciem. Numa época em que se põe tudo em causa. Dói como facada, ouvir como eu ouvi há dias, uns jovens dizerem que o que o país está a precisar é de outro Salazar.

Recordei Bertold Brecht

Os tempos modernos não começam de uma vez por todas.
Meu avô já vivia numa época nova.
Meu neto talvez ainda viva na antiga.

A carne nova come-se com velhos garfos.

Época nova não a fizeram os automóveis
Nem os tanques
Nem os aviões sobre os telhados
Nem os bombardeiros.

As novas antenas continuaram a difundir as velhas asneiras.
A sabedoria continuou a passar de boca em boca.

Um abraço e bom fim de semana



De São Banza a 12 de Outubro de 2007 às 20:32
Gratíssima pelo apoio, minha querida!
Penso que a nossa obrigação é denunciar os atropelos à dignidade humana, é uma das funções de quem se move no campo da Esquerda e no feminismo.
Como é o meu caso, desde que me conheço.
Gostei imenso do poema.
A minha amizade para si!


Reflexão sobre o post

.Conheça-me melhor

.pesquisar

 

.Dezembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. NATAL

. FLORBELA ESPANCA

. A FERNANDO PEIXOTO

. JOGOS PARA-OLÍMPICOS 2008

. DIA MUNDIAL DA FOTOGRAFIA

. QUEDA COM HISTÓRIA

. TEMPO DE REPOUSO

. " A CATEDRAL"

. INFORMAÇÃO

. ABRIL : LIBERDADE !

.Memórias

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds